23 de jul de 2011

Será que acabou?

Num engarrafamento
um ar meio bolorento
sai da ventilação,
ouço uma velha canção,
como tantas outras
que nos perguntam
do velho coração.
Nas palavras de Gentileza
escritas num pilar sujo,
talvez haja alguma lição,
algo velho pra um novo mundo.
Entre as buzinadas surdas
penso em coisas simples
que se tornaram absurdas,
o amor de um poeta por sua musa,
e tudo que a segura razão
faz para nublar a emoção.
Grita na rua chuvosa
outro profeta indigente,
que 2012 vem ai,
e acabou pra gente!
Porém o coração se nega
a plantar essa semente,
enquanto houver água de poesia,
uma arvorezinha nascerá
entre as pedras frias.

(Para ...)