24 de out de 2017

Desigualdade



Ontem tive fome,
comi e consegui
todas a calorias
de que necessita um homem

Enquato comia
pensava na vida,
televisão assistia
entre garfadas na comida.

Cenas de esporte,
de corrupção e morte,
tudo na minha frente

comia calmamente,
vi gente com fome,
mas segui cotidianamente.

28 de set de 2017

Torpor



Antes que ele me domine
e as idéais mine,
garimpo a poesia
para que o sonho se afine,

diferente da realidade mesquinha
quanto mas a língua afia,
mas juntamos esparsos grãos
que a cisca a galinha.

Antes que lembre da dor,
quero rubras bochechas
cheias de torpor,

quero canção antiga
de Raul Seixas,
virando de criança cantiga

7 de set de 2017

Menina dos Átomos do Céu


Valente...
Covalente....
Ambivalente....
Você sempre na mente,
o coração rubro vira céu,
desvela do azul o véu,
que átomos traduz
reverberando alva luz
nas telas camistas
me diz de suas vinhetas.
Assombro nos assola,
pois depois de gastarmos
dos sapatos tanta sola,
incrível aqui estarmos
perplexos diante dos astros,
que fazem nos encontrar.


Para Maia

5 de set de 2017

Poesia da Noite

Um gole de cerveja...
Um sonho na mesa,
mortadela e calabresa,
mais um gole as avessas.

A mochila cheia de livros,
um velho casaco,
o garçom da o aviso,
o fechar das portas num estalo.

Na rua deserta,
o caminho de casa é uma reta,
conto meus passos,

ouço dos morcegos o guinchado,
Batmans nos telahados?
chego em casa embriagado.

8 de ago de 2017

Poema da Manhã

Quatro e meia...
uma taça de vinho ainda cheia,
dorsinha chata na cabeça,
desperto querendo que não alvoreça.

Mais um cochilo...
escuto um faceiro grilo,
na verdade do gato um estremido,
fome de um rajado felino.

Segunda e suas vicissitudes,
pragmatismo e suas atitudes,
tenho que levantar,

e mais uma semana enfrentar,
o que fazer?
Vamos lá!