31 de dez de 2009

Vida

Neste dia que começa
desse ano que se finda.
De certo nasce uma vida,
e outra seu tempo termina.
Neste dia em que o sol
não deu por aqui as caras,
mas além das nuvens paira,
faz nascer minha palavra,
que é do tempo semente
de transformação luzente,
pois nada é permanente,
tudo se move calmamente
da nossa vontade independente.
Então meu amor de mel
andemos com o vagar do céu!
Nessa jornada de conhecimento
façamos da paixão fermento,
do coração doce incremento,
para dar vazão ao nosso sentimento.
Pois de tudo que há na vida,
não existe coisa mais bonita,
do que você enternecida
nos meus braços acolhida!

(Para Cristiane)

29 de dez de 2009

Tudo que sempre quiz

No começo um colo e um peito,
no conforto do seio de mãe eu era afeito.
Depois muita e fofa areia
só para mim uma caixa inteira!
Descobrir o mar e suas ondas,
queria flutuar naquela espuma toda.
Mais tarde a luta e o judô,
levantar seja como for,
na importa o golpe
o suor a fibra nos devolve.
Ai veio a literatura,
primeiro Aquiles e suas aventuras,
depois Pedrinho e seu bodoque,
num livro tudo estava a alcance do toque.
O mundo e as viagens,
a música na bagagem,
os sons ecoando nas paragens,
voltar e terminar a faculdade.
Ai apareceu uma Linda dama,
que com letras faz sua trama,
de alegria e fascinação,
para ela comecei a escrever então.
E, agora, tudo que quero,
e tudo que sempre quis
é faze-la sorrir e ser feliz!

(Para Cristiane)

28 de dez de 2009

Estar com você

Aportar no cais do Horizonte
encarar as montanhas defronte,
na verdade arranhaceis da capital,
te espero como é o natural,
com o coração acelerado
batendo em ritmo sem igual!
Tanto carro parecido
mas logo vejo o seu,
abro a porta e miro teu sorriso.
Teu beijo é doce recepção,
carinho do ardente corpo
que da medida da emoção,
que se consumará em nosso gozo!
No refugio dos namorados
nosso desejo se entrega exitado,
aos afagos de um dia iluminado,
que num milagre de Vênus,
não dura menos,
sempre mais e mais
a cada suspiro que seu corpo faz.
Depois do ardor abrandado
ainda há tempo
para com os amigos um trago,
torcedores e incentivadores
dos sonhos, dos nossos egos,
de nossa felicidade além de Eros.
Estar com você
é tudo que quero!

(Para Cristiane)

26 de dez de 2009

Todo Dia

Desde do primeiro beijo
de manha, na sexta-feira,
que seu olhar eu vejo,
toma minha alma inteira,
une as palavras numa esteira
de poesia emocionada.
Palavra improvisada,
palavra pensada,
palavra excitada,
tudo na mesmo fornada.
Todo dia em verso
conto de teus progressos,
não só as façanhas,
mais também suas manhas,
seu falar emocionada,
de como ficas encantada
com as crianças e suas jornadas
no mundo da palavra.
E com estas mesmas
me deste um presente,
a poesia em meu coração latente,
liberas-te uma torrente!
Te digo sem medo
és mais que desejo,
és corpo que por mim arde,
és idéia que surge no meio da tarde
és alma que repousa no burburinho da cidade!

(Para Cristiane)

25 de dez de 2009

O Dia do Teu Nome

Hoje é dia daquele
que com sua palavra
mudou o mundo,
trouxe mais amor a ele.
Seu nome vem dele,
e nessa hora agradeço
pois todo dia é um começo,
no seu sorriso me enterneço,
nas suas pernas faço berço,
com teu beijo cresço,
e cada vez melhor escrevo,
pois minha poesia tem endereço,
seu coração Linda mulher!
E tudo que o poeta quer
e poder sempre te amar,
sempre ouvir seu doce suspirar!

(Para Cristiane)

23 de dez de 2009

Musa do Castelo

Numa lagoa de Minas
tem um castelo,
lá mora a Mulher menina,
musa que amo e quero.
Já versada aqui
mas sempre é bom repetir
o que lhe faz sorrir,
um verso bem inspirado
um beijo suspirado,
tudo que é de seu agrado
faz meu rimado.
Ela tece a vida mais bela,
as vezes fica uma fera
mas acaba com qualquer querela,
com sua bondade revela
sua sabedoria de professora,
faz brilhar flor de primavera.
E assim verso seu viver,
para sempre poder
participar do seu querer,
ouvir sempre ela dizer:
Poeta eu amo você!

(Para Cristiane)

22 de dez de 2009

Aqui Comigo

Um sentimento vasto
que está por todo lado,
teu mundo está em todo fato
de por ti ter me enamorado.

Os verbos se recusam
a ser tempo passado
no presente se conjugam
quando estás de olhos fechados.

Tua língua percorre o lábio,
procura o momento exato
em que nosso amor foi revelado,

Estás aqui comigo
assim como em ti me abrigo
quando nossos corpos em amor tem ardido!

( Para Cristiane)

21 de dez de 2009

"Amor Move Agente"

Manhã de Domingo
uma mãe na cozinha com carinho,
fazendo o almoço
com sorriso no rosto,
conversa com sua filha mais velha,
esta já madura e esperta,
ouve atenta a prédica.
- Você sabe querida?
O amor move agente,
é uma coisa bonita,
assim você foi sempre
de seu jeito diferente,
por isso te gostam toda essa gente!
- Puxas- te teu pai
onde estiver ele está contente!
Filha, professora menina,
Mãe, senhora fada,
as duas de conversa fiada,
aprendendo e ensinando
a lição da caminhada,
mostrando que vale a pena
continuar na estrada!

(Para Cristiane, Professora e Menina, e sua Mãe, senhora fada.)

20 de dez de 2009

Tempo, Espaço & Amor

Os físicos de outrora
nos trouxeram racional aurora,
relacionaram tempo e espaço,
perceberam a força do átomo,
com uma bomba fizeram um estrago.
Em mim explode,
mas de outro modo faço
meu estardalhaço.
Meu tempo é teu afago,
meu espaço é o remanso
de teus quadris me roçando,
em amor interajo
com o cosmos dos teus lábios,
em tua mordida astuta
da a prova arguta
do amor que nos inunda!

(Para Cristiane)

19 de dez de 2009

Luz da Estrada

Depois do anoitecer,
atrás do horizonte o sol se disfarça
de Lua e tem as estrelas como comparsas.
Na estrada as luzes indicam o caminho,
pode parecer que você esta sozinho,
mas no final da rota tem um destino,
uma moça guarda para mim seu carinho,
nos seus beijos fiz meu ninho,
e a luz , as vezes, diáfana
é como pequena fada,
que pisca intermitentemente,
no ritmo do coração da gente,
faz a distancia ser pequena,
pois nossa vontade é imensa!

(Para Cristiane)

16 de dez de 2009

Para ser feliz

É assim....
Nem sei como se diz,
tudo parece por um triz,
um sentimento antigo,
mas em mim parece que refiz
cada palavra, cada artigo,
e inventamos nossa gramática.
Feita de sonhos e gemidos,
de amor na diária pratica,
as vezes não muito exata,
mas sempre enfática,
de sentir-te aqui comigo,
nesse arrepio saído do umbigo.
É como gritar bem alto,
como escrever no asfalto
teu nome com giz,
para ser e te fazer feliz!

( Para Cristiane)

14 de dez de 2009

Explosão

Parece um golpe de ar,
mas só é respiração.
Um segundo no furacão,
calmaria no mar,
mais vislumbre de imensidão,
triburilar do teu coração!
Palavra de emoção,
sangue rápido em tensão
leva a libido de então
fazer explodir toda a razão!
Me traz você pela contramão,
para realizar a lição,
que diz que tudo vale,
não importa quanto resvale
nos institucionais entraves,
no peito teu desejo me arde!

(Parta Cristiane)

13 de dez de 2009

Cheiro Gostoso

Nessa tarde de Domingo
tem um cheiro de bolo subindo,
pairando, o ar invadindo.
Lembro de teu sorriso
quando do paladar os mimos,
você saboreia num doce fino,
de tua alegria enrubescida,
quando os olhos abres
e me vê te admirando mastigar,
então me presenteia
com seu riso de menina.
Neste dia meio chuvoso,
há um odor de terra molhada
misturado com o de bolo,
me lembra seu cheiro gostoso,
que é difícil descrever, precisar,
as vezes jabuticaba a voar,
as vezes cheiro de quem quer amar,
mas sempre faz minha boca aguar!

(Para Cristiane)

12 de dez de 2009

Agora

Numa estrada da memória,
o ontem foi embora
e todo dia nasce o sol sem demora,
mesmo dentro de casa
sinto seu calor lá fora.
Erros e acertos
parecem estar sintonizados,
e me trouxeram aqui agora,
nos teus carinhos enredado,
no teu amor fortificado.
Penso no futuro,
que na verdade é fruto
de tudo que foi realizado,
e não está ainda marcado,
está sim plantado
na terra do teu peito,
toda vez que estou contigo abraçado!

(Para Cristiane)

8 de dez de 2009

Uma Lapa a Dançar

Ela veio voando pelo ar,
nem ligou para o temporal
que ia desabar,
as gotas de chuva
vieram seus pés beijar!
E no passeio ela, linda,
se pôs a desfilar,
de mãos dadas
com seu poeta,
fizeram seu caminho
pela rua aberta,
sua desatinação era certa,
o samba que faz
balançar quadris e pernas!
No salão fizeram seu traçado,
anexados poeta e musa,
no seu próprio ritmo
se deleitando com a musica,
fazendo a seu jeito
estrada, e dança única.
Quando a musica acabar
os dois ainda estarão a se amar,
pois sempre na Lapa
uma nova musica hão de dançar!

(Para Cristiane)

6 de dez de 2009

Ela Quer...

Ela quer um mundo
que não cabe na palma da mão,
mas faz bater forte o coração
Ela quer um céu de brigadeiro,
para voar o dia inteiro
e a tarde comer chocolate
fazer a vida girar
como num baleiro,
deixar a bala do amor
derreter na boca com ardor,
sentir seu gosto até quando ela se for.
Ela quer também trabalho,
mas sempre apaixonado,
aquele que da sentido
a tudo que é vivido,
uma força que é diferente,
age nas almas docemente,
grava a vida na gente.
Ela quer abraço apertado,
seu poeta emocionado
nos seus ouvidos declamando,
versando sempre seu cotidiano
Ela quer......

(Para Cristiane)

3 de dez de 2009

Véspera

Num sentimento
de criança ancestral,
mais forte é o batimento
do coração que no natal.
Uma calma por saber
o que está por acontecer,
excitação de prazer
pois logo sei que vou te ver.
E das tarefas quero
logo me livrar,
pois com esmero
para ti vou me preparar,
colher palavras para te dar,
fazer nosso beijo ressoar
no tilintar de copos no bar,
nos lençóis de amor
que vamos nos enredar!

(Para Cristiane)

2 de dez de 2009

Sonhar acordado

Começo a sonhar quando acordo,
pois é dos poetas esse o modo.
Vejo tua face em cada esquina
pois na cidade deixas- te teu odor,
e mesmo apressado em labor
sinto nas calçadas teu cheiro de flor.
Sinto em mim tuas ancas,
um forte grito que arranca
do peito todo medo espanta,
porque nosso amor se levanta
todo dia, e sempre floresce,
com cheiro de jasmim amanhece
nessa vontade que permanece,
de cada dia mais se querer,
e acordado sonhar para viver.

(Para Cristiane)

1 de dez de 2009

Uma Velha Música

Voltando para casa
toca uma velha musica,
uma do Pink Floyd,
lembro de nós,
na verdade do meu querer,
de naquele instante ser
como Zeus e seus truques,
na tua janela aparecer,
te encantar com meu perfume,
te levar para passear nalgum bosque,
te deleitar com meu suave toque.
Devolvendo- te a sua cama,
onde delicadamente derrama,
seu corpo molhado do prazer
que nos versos e suspiros
comigo você veio ter.

(Para Cristiane)

29 de nov de 2009

Madrugada

Na Madrugada calorenta
o suor que escorre a face,
se confunde com lágrima,
apesar que tristeza não há,
só lembrança emocionada,
alegria no corpo espalhada.
A brisa suave na goiabeira
me faz lembrar de primeira,
como o vento beija teus cabelos
te deixando mais bonita e faceira.
A Madrugada se despede
com raio de sol que toca a pele,
parece um carinho teu,
como o calor de amor
que no inverno você me deu,
quem sabe ao sol pediu
para me entregar este afago seu,
para dizer de mansinho
que estais a caminho!

(Para Cristiane)

28 de nov de 2009

Um Mundo no Coração

Uma vontade de saber,
a vocação do conhecer,
intuito de desbravar
os caminhos que ainda percorrerá.

Coração de menina
que não cabe no peito,
o querer este ilumina,
e ai não tem jeito,

sai em busca do mundo,
que as vezes está numa esquina,
num samba de amor profundo,

no versar de um poeta,
que quer deixar sua alma repleta
de alegria , gozo e festa!

(Para Cristiane)

27 de nov de 2009

Nossos Sonhos

O mar lambendo suas pernas,
eu te segurando pelos quadris,
dentro das águas do mar, eternas,
você me beijando feliz.

A Praça Vermelha,
refletida na sua bochecha,
rubra como este lugar,
você no centro dela a rodopiar.

Um canto para descansar,
e uma rede para balançar,
falando de filósofos,

alguns talvez já mortos.
E é muito bom depois do amor feito
ouvir suas palavras pertinho do peito!

(Para Cristiane)

Meus Sonhos

Quando era pequenino
meu sonho era ser amigo do Pedrinho,
estar no Sitio do Pica- pau amarelo,
aprender com Visconde de Sabugosa
e participar daquela aventura fabulosa.

Na adolescência queria a guitarra
fazer de notas minha estrada,
também tinha tatame e Judô,
no final da tarde os papos com meu avô.

Já adulto,
a História e velho mundo,
passear pelos pilares do saber,
ver a pedra que fez tudo nascer,
da humanidade obscuro alvorecer.

Nisso tudo sempre trouxe
um versar onde o mundo coube,
mas agora tudo é desmedida,
pois meu coração bate por uma menina,
uma bela Professora, Moça de Minas.

Nestes versos tento mensurar,
o quanto é bom à amar,
em sonho tento relembrar,
mas nada que eu possa falar
é mais poderoso que seu beijar!

(Para Cristiane)

26 de nov de 2009

Andar em Poesia

Cruzar a montanha
mesmo que seja uma façanha,
falar da alegria, da doce manha,
dizer do prazer e ardor,
pois na paixão nada se estranha,
do verso fazer um louvor.
Todo dia render uma homenagem
a essa recorrente imagem,
do amor de Musa e Poeta,
que nem sempre é estrada reta,
mas que tem uma meta,
fazer o amor andar em poesia,
fazer poesia ser amor de todo dia!

(Para Cristiane)

25 de nov de 2009

Todas as palavras do mundo

Há muito tempo
quando este era pouco,
alguém disse “um”,
disse “nós” um outro,
o diálogo foi composto.
Quando o tempo era médio,
muitos eram os sortilégios
e Deus para tudo era remédio,
palavra era levada muito a sério.
Hoje que o tempo é grande
elas se perdem no instante,
mas as dou o valor do infante,
as amalgamando triunfante.
Sei que nem todas juntas
dão conta da emoção profunda,
que à idéia racional bagunça,
que ao coração traz linda mudança.
Tento ser delas menestrel
para te adoçar a boca com mel,
e dizer “Eu te amo”
através do mero papel.

(Para Cristiane)

24 de nov de 2009

O Mar e o Poeta

Nas águas do mar deposito meu verso,
e a elas peço que façam o caminho reverso,
subam esse imenso e lindo continente,
sigam os caminhos do rio de modo diferente,
lambendo as montanhas e o coração das Geraes,
de onde tiro inspiração e meu frasear se refaz.
Que as águas da montanha entreguem a ti musa,
os retalhos de poesia que compõem nossa musica,
que irá ressoar nesse verão e carnaval,
contigo alegre dançando como um vendaval
transformando os ânimos em novo astral.
Para de novo a água o rio descer,
e num barco de flores a correnteza te trazer,
então o mar e seu poeta você rever!

(Para Cristiane)

23 de nov de 2009

Inevitável

Como dia que irrompe a noite,
como a faisca que dá chama a fogueira,
como o fermento faz crescer o bolo da doceira,
como beija- flor que a rosa faz a corte.

Depois de beijar- te é inevitável
não sentir esse tremor inflamável,
um calor aconchegante e confortável,
um instante onde tudo é infindável.

Mesmo que o momento seja rápido,
deixa sempre de amor um legado,
toda vez que nosso abraço é lembrado,

toda vez que meu retrato olha
sentes umidade que te molha,
pétala de saudade de que és senhora.

(Para Cristiane)

22 de nov de 2009

Acordar com Você

Dormi um sono feliz,
sonhei com tudo que me diz,
do teu amor que sou aprendiz.
E mesmo os lençóis vazios,
a memória de ti é como rio,
que leva teu beijar a meus lábios,
que leva teu desejo a meu corpo,
nos deixando em prazer absortos.
A água desse rio nos envolve,
todos os sentidos comove,
para chegar no mar que é testemunha
desse amor perene que nos inunda,
da paixão que renasce profunda
pois toda a manhã traz uma poesia,
para no coração acordar contigo em alegria!

(Para Cristiane)

21 de nov de 2009

Um chope na Lapa

Não é Ipanema,
mas também existe menina
que vem e que passa,
mas minha mente está em minas,
numa senhorinha que me arrebata!
Pim, Pim....
sinto um temor em mim,
além da natural saudade,
vibra no bolso o celular,
confiro a nova mensagem
morto de curiosidade,
ela diz que quer beijar,
com vontade de mim está,
mas não tarda a hora de encontrar,
e nessa cidade fazer nosso amar.
Dou mais um gole no chope,
penso que sua boca fosse,
e feliz e contente fico,
pois ama-la é tudo de que preciso!

(Para Cristiane)

20 de nov de 2009

Alvorecer

Na sua cama vazia,
mas repleta de poesia,
pois te penetrei
com a palavra minha.
No alvorecer
estou com você,
na memória do corpo
em furor louco tomado,
pelo falar ritmado
de desejo manifestado.
Um suspiro no espaço,
que tem endereço nos meus braços,
um murmúrio gemido
que em ti revela o amor expressivo.
De beijos e afagos o ensaio
que se faz mesmo a distancia,
pois todo detalhe é de relevância,
o que construímos em abundância,
se soma a vontade premente
de nos termos novamente.
Prenúncio do tempo de dizer
eu amo você!

(Para Cristiane)

19 de nov de 2009

Professora Estudante

Onde muitos podiam
dar-se por satisfeitos,
ela vai mais adiante.
Onde descanso seria direito,
ela leva a estrada avante.
Uma nova prova,
uma idéia nova,
para fazer seu mundo rodar,
para melhor o horizonte olhar,
para à suas crianças melhor falar.
A este Poeta é missão registrar,
como seu caminho ela faz ao andar,
e como atenção e carinho a todos ela dá.
No coração do poeta amor ela planta,
com o sol nascente todo dia se levanta
a poesia que tanto a encanta.

(Para Cristiane, Professora, menina e estudante, sempre!)

18 de nov de 2009

Sinapse

Uma centelha,
vem aqui detrás da orelha,
pega a nuca inteira,
escorre pela coluna,
o fundo do estômago
revolve e desarruma.
Dispara as sinapses,
do cérebro em eletricidade,
mas no coração tem seu apse,
toda vez que ouço o celular tocar
toda vez que ouço você me chamar
para sons de amor contigo trocar!

(Para Cristiane)

17 de nov de 2009

Presença

Não faz a menor diferença,
se de longe, ou de perto,
se há ou não nos princípios crença,
nessa partida não importa quem vença,
somos ambos vencedores do afeto,
que virou amor na alma repleto.
Desejo imenso, inconteste,
no beijo de Sexta feira que tu me deste,
prova acima de qualquer teste
que para ser feliz no mundo vieste!
Tua presença está no meu peito,
mesmo quando vazio nosso leito,
giro o anel e em ti me deleito,
sei que relê nossa poesia em proveito
dos dias que estão por vir,
para de novo nos meus braços você sorrir!

(Para Cristiane)

15 de nov de 2009

Diálogo

De palavras digitadas,
de palavras declamadas,
de palavras suspiradas,
para então não ser mais só palavra.

Ser atitude no corpo espalhada,
bailar de mãos entrelaçadas,
o procurar de lábios ressequidos,
no amanhecer de nossa libido.

Saciar essa sede atroz
sorver o liquido que sai de nós,
transcender com gemidos de tua voz,

sabendo que em cada gozo
morres e revives de novo,
pela mão desse amor virtuoso!

(Para Cristiane)

Carta de Amor

Em algum lugar,
numa escola, num bar,
alguém está a sussurrar,
palavras para o papel registrar.

Uma alma toca a outra,
um bit eletrônico vai levar,
vai fazer com que quase ouça
o que o poeta quer declamar.

Nesta rimada carta,
envia de forma exata
todo o amor que guarda,

nos lábios, no tronco, nos membros,
pois já vem o calor de dezembro,
e de febre poética este , por ti, está ardendo!

(Para Cristiane)

14 de nov de 2009

Saudade Brasileira II

Ai um feijão tropeiro!
Um abraço apertado de desejo,
de minas os vários temperos,
no teu olhar perspicaz e faceiro,
os caminhos do teu corpo eu vejo!

Ploft, Ploft....
a jabuticaba na boca explode,
lembro de todos os teus cheiros,
da ansiedade da espera,
que exala acre quimera,
do limão verde cítrico,
que é nosso caminho percorrido,
do jasmim doce e puro,
que é a alegria que sai do escuro,
quando de manhã
te vejo chegar no meu mundo!

E tudo que é saudade
se transforma em vontade,
de no teu inovador querer
encontrar forma de viver.

( Para Cristiane)

13 de nov de 2009

Sanidade

Todos procuramos realidade,
na vida não ter maldade,
encontrar de alguma forma a felicidade,
e manter da mente a sanidade.

Mas o que será de uma pessoa,
se na vida não fizer uma atitude louca?
É a lição que nos deu Pascal,
homem da matemática e racional,

nos disse de maneira descomunal
que o amor tem razão sem igual,
fora das normas , fora do banal.

Aqui só faço verso louco!
Para dizer como num estouro,
na minha alma te tenho e te ouço!

(Para Cristiane)

12 de nov de 2009

Acordar sem você

Não há vazio,
o que seria esperado,
só no ouvido um assobio
de amor sussurrado.
Pois o anel está
no meu dedo grudado,
e meu forte coração
tem sua pele roçado.
Não importa o quanto
podemos estar afastados,
trazemos na alma e no corpo
a memória de beijos atados.
Na verdade só acordo
sem a noção do tempo de te ver,
mas fecho os olhos
e tenho tudo de você!

(Para Cristiane)

11 de nov de 2009

Novela

Santa Janete Clair!
Me diz dessa mulher,
ela é minha musa querida
o que de melhor há nessa vida!
Mas está tão indecisa,
no peito traz uma ferida,
conciliar seus desejos e sua família.
- Meu querido Poeta
só sou uma autora de novela,
minhas mocinhas eram muito espertas,
choravam e faziam drama na dose certa,
no final eu dava um jeito
e todas da felicidade tinham proveito.
- Te dou só um conselho:
Ame! Ame e seja intenso!
Pois paixão em ti reconheço,
e disso que amor é feito,
das telas ele sai em cada beijo
que você da na sua musa com efeito.
Obrigado dama da dramaturgia,
vou continuar com minha apologia,
dessa Moça Musa Menina,
que guardadinha lá nas trilhas de Minas,
aqui no mar a cabeça do Poeta desatina!

(Para Cristiane)

10 de nov de 2009

Trim

É um barulhinho assim
que causa um arrepio em mim,
pois é sineta moderna,
pode ser melodia ou alerta,
mas uma coisa é certa,
traz uma noticia que se espera.
No celular ou no computador,
traz aviso do meu amor,
as vezes também um sinal de dor,
mas não importa e seja como for,
nesse mundo de hoje, veloz,
ele me traz sua voz,
e posso ouvir seu doce gemido
quando para ti recito
todo o ardor no peito contido.
Trim.....
Que bom estar aqui contigo!

(Para Cristiane)

9 de nov de 2009

Você Sabe

Você sabe....
Da alegria das crianças
no pátio a brincar e correr,
pelo alvi- negro torcer,
do chope, do samba e da dança,
das amigas no Liberdade
conversando em doce cumplicidade.
Você sabe....
da dor de não ter o quê comer,
ver quem se ama sofrer,
andar uma milha inteira,
para ter a aula rotineira.
Como manter é preciso
tudo que conquistou
com muito sacrifício.
Você sabe....
que viver sem paixão
é como perder das coisas o sentido,
é como comer só para estar nutrido,
é como só viver de pão.
Você sabe....
que tens todas as chaves
para as portas e os enclaves,
que o destino te propõem.
Para optar basta ter coragem.
Você sabe...
como é bom amanhecer
entrelaçada no meu ser,
aos beijos bem dizer:
- Como é bom amar Você!

(Para Cristiane)

8 de nov de 2009

Minha poesia para ti

Minha poesia... É sim,
mas antes não tinha um fim,
era como passarinho no jardim,
cantando distraído uma canção do Tim.

Agora ele gorjeia mais que o sabiá,
pois uma menina veio ensinar,
que amor é que faz mudar,
e nele todas as melodias se fazem soar.

A poesia também virou sua,
tomou conta da escola, da casa e da rua,
nos deixou alma revelada e nua,

e tudo que a ti dedico
sinto que um marco finco,
sinal do amor que por ti sinto.

(Para Cristiane)

7 de nov de 2009

Da Musa da Lapa

Neste lugar que encanta e agrada
as gerações por ela passam
desfilando sua fúria e graça
nestas calçadas emoções caçam.

Eu observador astuto
só me distraiu um segundo,
entre um gole, um pensamento futuro,
pois alguma coisa falta
aqui nesse pequeno mundo.

É um cheiro de jasmim- limão,
aquele que exala após o banho,
falta o sorrir que ganho,
toda vez que canto um refrão.

Falta uma Menina
que doce trouxe de Minas,
o ser que a poesia me instiga,
a fala que com as ruas da Lapa combina.

Mas a tecnologia vem em meu socorro
saco rápido o celular do bolso,
os carros e o transito são meu coro,
e digo na Lapa emocionado:

- Tudo isto é para ti!
Meu amor raro!
Musa em verdade lhe falo,
mesmo sem vir, aqui tu tens estado!

(Para Cristiane)

6 de nov de 2009

Biblioteca

Nessa biblioteca gélida
o que será que vou escrever?
Tenho alguns livros para ler,
sobre os homens e suas façanhas pérfidas.
No silencio ecoa um nome,
nas paginas que viro aparece e some,
na pausa curta e poética
de um pesquisador na biblioteca,
um estudante cercado pelo saber,
todo pensamento remete a você!
E penso como seria
o que você pensaria ,ou, diria
de todo que estou a transcrever.
Pois te amo, e bom dizer,
que apesar disso também
contigo quero Ter,
tudo que ao bom amar convém,
ouvir seu versar em prosa
dos pensamentos tomar nota.
Fazer um acervo dos seus beijos,
realizar seus sonhos e desejos,
gravar o menor lampejo
de teus risos e gracejos,
e sonhar com tudo que em ti vejo!

(Para Cristiane)

5 de nov de 2009

Saudade Brasileira

Saudade invenção portuguesa
que Pessoa versou com destreza,
um sentimento do amor distante
que no peito bate como antes.
Minha saudade é mais brasileira,
tem um cheiro de jabuticaba verdadeira,
se aplaca com um mero telefonema
de uma tal Moça Mineira.
Quando sei de sua felicidade
se ilumina toda a tarde,
os versos no papel se deitam,
como minha língua em seu dorso,
suas mãos meu rosto enfeitam,
firmando o beijo no meus lábios posto.
Toda essa saudade
só faz crescer a imensa vontade
de novo ver seus formosos pésinhos,
na areia da praia fazendo carinho!

(Para Cristiane)

4 de nov de 2009

Café com a Moça de Minas

Aquele acordar preguiçoso,
espreguiçar vagaroso,
no corpo ainda o rumor
da madrugada de amor.

Mas a hora do café não espera,
no hotel tudo tem hora certa,
assim já levanta esperta,
se veste com a roupa da véspera.

Café, café ela não toma
um suco bem gelado ela apronta,
parte o pão em pedacinhos,
deixa o miolo de ladinho.

Me olha com um sorriso
lê no meu rosto
e me propõem ao ouvido
voltarmos para o nosso quarto querido.

Lá fazemos reino nosso,
entrego meu corpo no teu corpo em ócio,
no vagar de lento e minucioso beijar,
e o tempo, languido, parece parar.

(Para Cristiane)

3 de nov de 2009

Musa Recolhida

Ah este samba!
Este samba não é de partida!
Só mas uma crisálida aturdida,
minha borboletinha não quer dar
as suas asas a primeira batida.
Natural minha musa estar recolhida,
como passarinho no ninho encolhida.
O mundo é grande nave que está de saída,
da medo no espaço estar perdida.
O Poeta lhe da garantia
que em toda essa imensidão
nunca largará da sua mão,
nova terra para colonização,
um mundo de amor e emoção
vão fazer do conteúdo que está no coração!

(Para Cristiane)

Amiga Esperta

Para essa nova e querida amiga
damos graças e fazemos muita figa,
para que esse sorriso sempre tenha no rosto,
para que sempre esteja com esse ar disposto.
Ela que anda pela Geraes
mas na Lapa também sabe o que faz,
conhece as duas Santa Teresa,
a do Rio de janeiro concerteza
e de BH que também é uma beleza!
Agradeço a esse amiga esperta
que empunhando arco e flecha
do cupido é bela acecla,
torce pelo amor da Musa e do Poeta.
Do samba da Beija- Flor em festa
ela faz sua alvorada de seresta,
mineira de nascença ninguém contesta,
mas no coração sua carioquice está confessa!

(Para a Grande amiga Rosalva)

2 de nov de 2009

Pensar, caminhar & filosofar

Tendo o céu como cobertura
no calçamento se faz a andadura,
a cabeça e os pensamentos a girar,
como os Peripatéticos* a andar me ponho,
sentimento, raciocínio e sonho,
tudo num só caldo a analisar me proponho.
Penso no seu sorriso
de tudo que necessito
é ver-te assim num lindo Domingo,
a rir como menina que vai ao circo.
Caminho, e cruzando a rua
vejo uma camisa alvi- negra,
não é do seu time a bandeira,
mas me lembro de ti toda faceira
no estádio vendo seu time ganhar
lutar pelo campeonato de toda a maneira.
Filosofo e no meu raciocínio
só há o imenso fascínio
por toda a tua linda ciência,
sua boca sugando a minha em saliência,
buscando no meu corpo mais e mais experiência.
Termino de caminhar suado,
pelo desejo inundado,
saber que depois de tudo que eu tenho estudado,
te querer e te amar é melhor que o mudo tem me dado!

*Peripatéticos eram filósofos gregos que ensinavam caminhando.

(Para Cristiane)

Sangue de Poeta

As vezes amarga a boca essa espera,
um sentimento que desassossega,
uma verdade sincera, mais que quimera,
no sangue está a palavra que se apega.
O poeta escreve para sua Moça Musa,
toda sua eloquência ele usa,
para dizer-lhe que não fique confusa,
o amar as vezes se faz de forma difusa,
mas todo dia ele está lá,
mesmo que se tente ignorar,
uma musica nos faz lembrar
dos beijos que se quer dar.
Por mais que estrada seja longa
e preciso nela poeta e musa andar,
por mais obstáculos nela se ponha,
a paixão faz com que se transponha,
e o amor se faça em manhã risonha!

(Para Cristiane)

1 de nov de 2009

Poeta em busca

Sei que de tropeços o caminho é feito
que alguns erros causam mal efeito,
que acreditar nos princípios é direito.
Mas o que fazer quando a lei
não conforta a emoção?
Não traduz mais o dia a dia então.
Minha busca é por ti,
por tudo que te faz feliz,
a bola, a poesia , o samba de raiz.
Uma menina aprendiz
que tu guiaste nas letras de giz,
fez ver que ler é bom como bala de anis.
Esse seu andar pela vida,
e toda a alegria que nela é contida,
é a matéria de minha poesia!
Só perdoa seu Poeta
por te amar demais,
pois essa é minha jornada audaz,
buscar esse amor que todo dia se faz.

(Para Cristiane)

31 de out de 2009

Um Filme de Vida

Personagem cidadão
que pula da tela para o calçadão,
não somos exatamente assim então,
as arestas do dia a dia hão.

Mas de certa forma nos da a mão,
nos guia entre realidade e ilusão,
pois serve a muitas pessoas,
esse personagem fala de várias coisas.

Parte do filme da vida conta,
rimos com que ele apronta,
choramos as vezes na poltrona.

no final está tudo entendido
e pelo coração enternecido,
de que amar sempre é preciso!

(Para Cristiane)

30 de out de 2009

Musa & Gol II

No silencio do seu quarto,
ainda sim com o radinho do lado,
está ela com os olhos vidrados
na televisão assistindo o Galo.

Mas o território é inóspito,
a chuva e juiz lhe são opostos.
hoje não é dia de comemorar,
uma derrota seu time teve que amargar.

Com o travesseiro confidente
ela lembra dos tempos sorridentes,
que com seu pai, as costas montada,
ia ver o alvi- negro toda animada.

Nada decepciona a emoção,
pois só foi um tropeção,
esse escrete sempre da razão
a toda essa imensa paixão!

Até o poeta se comove
e nesses versos descorre,
sobre a musa e sua magia,
que fez cantar um galinho
onde ainda esse amor não havia.

(Para Cristiane)

29 de out de 2009

Moça vai atrasar

Moça de Minas vai se atrasar,
mas que mulher não faz
o amado um pouquinho esperar?
É para melhor se cuidar,
para a roupa preparar,
na maquiagem caprichar.

O poeta da voltas no saguão
e estala os dedos da mão,
ansiedade e alta pulsação.
Um vislumbre e tudo é emoção,
ela, linda, irrompe o salão!

Os dois vão passear na Lua cheia,
dizer tudo que a alma almeja,
beijar, pois o coração deseja,
fazer que noite nunca alvoreça!

(Para Cristiane)

28 de out de 2009

Reflexão do Poeta

Acordei nesse dia chuvoso,
sorvi meu café fumegante,
meus pensamentos, como antes,
em ti estavam até o osso.

Nessa lógica incomum
penso em motivo, só um,
para não te amar,
mas não consigo encontrar.

Nessa estrada de Musa e Poeta,
não hão só longas retas,
algumas curvas estão a nossa espera,
para no caminho nos ensinar
como os sentimentos acomodar,

pois esse amor é raro
como o fruto da terra extraído,
precisamos dele no organismo.
O Poeta diz para Musa assim,
te amo, e te quero sem fim!

(Para Cristiane)

27 de out de 2009

Vento das Geraes

Vão as horas escorrendo,
um minuto vagaroso,
a hora do almoço chega num lampejo,
sempre quando me lembro saudoso,
da Moça Minas, meu amor gostoso,
parece que doce estou comendo
quando nos meus sonhos
acordado estou ela vendo.

Alguém faz uma pergunta,
eu meio aéreo, desatento,
forço o ouvido na escuta.
- Professor! O que está acontecendo?
- Se perdeu no vento?
Respondo com olhar no céu.
- Me encontro num vento das Geraes!
- Dele não quero sair nunca mais,
é minha amada que felicidade traz,
mesmo ela lá eu aqui na beira do cais,
mas logo uma magica ela faz
e estaremos nos beijando em paz
se querendo em desejo voraz!

(Para Cristiane)

26 de out de 2009

A Musa vem para o Mar

Ela vem de cabelo solto
com sorriso iluminado no rosto,
emprestando ao dia sua luz com gosto.
Vem ver a Lapa,
ouvir o samba da velha guarda,
tomar uma caipirinha bem gelada,
aquela feita na rua, na barraca.
Vem trazendo um cheiro de jabuticaba,
que deixa a rua toda perfumada,
que me faz suar só de pensar
em beijar essa sua boca molhada,
onde este poeta faz morada.
Vem ver também o nobre esporte bretão,
quer sentir o Maraca explodir com a multidão!
Vem torcer para o seu alvi- negro de Montão.
E não importa qual o tamanho da emoção,
o mar é nosso lugar de imensidão,
como o amor que temos, um pelo outro, no coração!

(Para Cristiane)

25 de out de 2009

Musa & Gol

Um dia de calor
de manhã já se bota de pé,
prepara rápido o café,
há atividade que sua atenção requer,
tem que ciência ensinar com fé,
novamente lições dar com amor.

Mas seu coração está batendo
hoje dia de alvi- negro,
paixão que cultiva com esmero,
dividida com este que está escrevendo,
pois também acelero seu batimento em resfolego.

No estádio ela se deleita
vendo no gramado a bola rolar,
com o radinho no ouvido espreita,
o gol que está para chegar.

Como é lindo ver seu braço estendido
comemorando golpeando o ar,
mas um adversário vencido,
seu belo time pode triunfar.

Musa mais bela
o poeta não podia Ter na terra,
combinação incomum, mas sincera,
futebol e versos da doce esfera,
que a bola ao rolar revela
como o mundo roda avera,
dizendo da paixão da musa por seu poeta!

(Para Cristiane, Musa e Torcedora)

24 de out de 2009

Suspiros em Você

Quando eu era criança
eles eram doces e açucarados,
vovó fazia para a festança,
sempre tinham uns para mim guardados.

Seus suspiros são de outra monta,
trazem prazer extraordinário,
toda vez que me dou conta
de quanto seus beijos são necessários.

Ambos deleitam o céu da boca,
e saber assim não é coisa pouca,
que te beijando te deixo louca.

Os suspiros que arranco de você
são o prenuncio do prazer
que é a noite toda no meu leito te ter!

(Para Cristiane)

23 de out de 2009

Amor da Moça de Minas

Como um velho candieiro
está ali a chama em reverbero,
como toucinho que matura
ali pendurado no fumeiro.
Virando o tacho o dia inteiro
se faz do marmelo bom proveito,
esse amor é como doce confeito
e estala na língua como beijo!

Essa Moça que verso
traz no seu ser imerso
tudo que tradição ensina,
mas também avançada filosofia
nos trabalhos que escrevinha.
Coisas que só acontecem em Minas,
dos tambores a alta tecnologia.

O Poeta acende essa fogueira
ama essa mulher de todas as maneiras,
faz do cantar alvissareiro
um jeito de estar com ela por inteiro,
inventando todo dia novos poemas rimados
para dizer como é bom por ela ser amado!

(Para Cristiane)

Poema de Ontem

Um verso de amor,
uma imagem de flor,
tudo de bom que for,
registrado na suas bochechas
que ardem vermelhas de rubor.

Ontem falei de lembrança
de nosso entrelaçar em dança,
de tudo que a mente alcança,
de belo horizonte de bonança.

Hoje está firmado
no que é insondável,
no que é incomensurável,
eu a noite inteira ter sonhado
estar simplesmente ao seu lado.

Ontem e hoje são partículas de tempo
como bandeirante corre terra a dentro,
não importa os reveses do vento
explora o chão que vai vendo,
o amanhã ao andar vai fazendo.

(Para Cristiane)

22 de out de 2009

De Mãos Dadas

Quando os dedos se procuram
mesmo que no escuro,
debaixo da mesa fazem sussurro,
se entrelaçando para dizer ao mundo,
como esse amor é profundo.

Mãos espalmadas, linhas cruzadas,
para dizer como é boa essa vida,
de para ti fazer diária poesia,
para nunca deixar a alma vazia.

Olhos fixados,
abraçar de lábios,
eriçando a pele e num estado
de paixão todo o músculo está retesado.

Consigo o que almejo
te demonstrar num beijo
o quanto é grande o sentimento
que no corpo vicejo!
Sua mão na minha cravada
faz saber do ponto de partida
que é simplesmente
ter sua mão a minha unida!

(Para Cristiane)

Ar, Amor & Poesia

Parece meio insubstancial,
mas quando o vento sopra
percebemos sua forma.
Parece meio atemporal,
mas quando bate um frio na barriga
sentimos o que o coração abriga.
Ela existe para dizer faminta
de quanto feliz se necessita,
do ar, do amor e da poesia,
que uma menina apaixonada
precisa para viver bem a vida!

(Para Cristiane)

21 de out de 2009

Cotidiano em Revolução

Ele vem assim andando
meio inconformado,
com ares de entediado,
esse nosso cotidiano.
Conta para o poeta
que existe uma moça
que está lá em minas
de uma poesia a espera,
de uma palavra fina,
de quem seu coração ouça.
Assumo então tarefa intrépida,
de alegrar essa menina
com as imagens que saltam a retina,
e nos versos se fazem queridas.
Ela me diz quando o rosto
em beijos me afaga,
que amor tudo transforma,
mesmo que haja demora,
tudo tem sua hora.
O mundo e a vida
as vezes dizem não,
mas não a alternativa,
para quem no coração tem a paixão.
Revolucionar o cotidiano,
fazer do amor solução!

(Para Cristiane)

20 de out de 2009

A Cidade sem Você

Num movimento corriqueiro,
comendo um doce de confeiteiro,
me lembro de todo seu deleite
ao sorver os quitutes saborosos,
que mais parecem enfeites,
e são para o paladar formosos.

Passo pelo bar nosso
e vem a minha boca salivar,
por dentro sinto um troço,
vontade daquele momento cristalizar,
parando no tempo o beijo vosso!

E nas ruas passo a me lembrar
de como você as luzia no seu andar,
de como entre essa gente
tu se misturavas tranqüilamente.

A cidade se recente
pois já és daqui certamente
quer te ver novamente,
sente falta de sua aura,
do amor que aqui você instaura!

(Para Cristiane)

Teu Olhar

Na plataforma eu a esperar,
os minutos longos e lentos
custavam tanto a passar,
procurava teu rosto
nos passantes que ia vendo
desembarcando em ritmo ameno.

Percebi o ônibus encostar,
vi no letreiro o destino de partida,
soube que este era o que te trazia,
o sangue forte na veia corria,
fixei o olhar na porta que se abria.

Teu olhar no meu olhar
te fitando foi como beijo,
que prenunciava o ensejo,
de todo nosso desejo,
que sua boca beijando a minha,
veio nosso amor realizar!

(Para Cristiane)

19 de out de 2009

Magia da Moça de Minas

Seu poder não está em remover montanhas
mas sim em andar por suas entranhas.
Sua força não está em confrontar o abismo
mas sim em contorna-lo tornado-o um amigo.
Seu dia se faz pelo doce e diligente sorrir,
ensinando aos pequenos como devem seguir
e dizendo aos grandes que aprender também é divertir.
Seu humor pode variar e ficar bem brava,
mas é para a coisa não ficar como estava,
pois seu coração é contínua estrada
reconstruir-se em si é sua dádiva.
E sua maravilha é essa magia
que são das coisas do dia a dia,
um pequeno passarinho que pia,
uma criança que aprende caligrafia,
um bilhete afetuoso para a tia.
No coração desse poeta és musa eterna,
nos meus braços é namorada terna,
no meu viver és como sal da terra,
necessário a tudo que vinga e prospera.
Oh! Moça de Minas!
não tendes medo da tempestade que se aproxima,
pois sua nau singra os mares como enguia,
desviando dos recifes e da costa bravia,
para fazer seu repouso nessa cidade iluminada
pelo seu andar na praia e na areia molhada,
deixastes na escrita do poeta suas pegadas.
Alquimia de beijos sem pensar em mais nada,
seu amor é que produz essa poesia cantata!

(Para Cristiane)

18 de out de 2009

Poesia de Manhã

Olhinhos ainda meio grudados,
o semblante doce pelo sono revigorado,
observo seu matinal espreguiçar
se esticando para no meu peito voltar a cochilar.

De leve, num selinho, seus lábios toco,
você retribui se aninhando mais em mim,
para seu lindo ouvidinho me volto
começo a recitar as palavras de jasmim.

Sua face adquiri um tom carmim
e nela se instala um sorriso sem fim,
de olhos fechados o beijo é deflagrado,

toda a poesia se resume nesse estado
de por você estar apaixonado,
um novo dia nasce para ser conquistado!

(Para Cristiane)

17 de out de 2009

Você e o Mar

Olhando você de Biquíni
vejo que não é só a forma que te define,
as gotas d’água do mar pelo seu ventre a passear
fazem o caminho do amor que o poeta sabe andar.

No seu olhar a imensidão do mar
toda a mansidão de no seu colo estar,
toda duvida está antes do cabo se dobrar,
mas seu navio no cais está para zarpar.

Quero ser dessa viajem piloto,
ter a alegria de um garoto,
na rota do coração o destino está posto.

O mar pode ser desconhecido
mas da musa ele é o melhor amigo
pois, a cada milha, faz valer a pena ter vivido!

(Para Cristiane)

16 de out de 2009

Lágrimas do Sol

O sol te amanhece no sorriso,
seus raios são de onde me inspiro,
das distantes campinas da Gerares
num segundo teu calor ele me traz.

Mesmo quando em lágrimas
teu desejo ardente se transforma,
são estas que em belas formas
dão força e vida a minhas palavras.

E a poesia salta fulgurante do papel,
você beijando nosso lindo anel
faz com que se dissipe qualquer fel,

eu te acariciando o tornozelo
para te demonstrar todo o amor e zelo,
com quero ver-te brilhar como sol de Setembro!

(Para Cristiane)

15 de out de 2009

Porque escrever

Quando a pena desliza no papel
como meus dedos nos teus cabelos tocam,
como o escultor que maneja o cinzel,
escrever-te é como saborear o mel.

No nascer do dia cotidiano
já acordo contigo sonhando,
mais que inspiração, um desejo tamanho,
de com palavras te deixar os joelhos bambos.

Não há coisa mais bela,
pensar no seu sorriso do outro lado da tela,
quando lê a poesia que viaja a terra,

chegando a teu coração como a primavera,
por isso te escrevo de forma sincera,
és musa e por ti a poesia se revela!

(Para Cristiane)

13 de out de 2009

A Poesia que se move

Quando penso em ti
e em tudo que vivi,
nesse rio que é o tempo,
em cheias e vazantes nos da o senso,
de quanto é importante esse movimento
dos nossos corações a procura de contento.

E como seria?
Se você não tivesse mexido o oceano
a procura deste ser humano,
e se feito musa deste poeta,
feito eu escrever sobre tua beleza completa,
feito se mover a poesia que em mim havia.

E com toda a humildade
és tudo que ti verso em verdade,
pois não há melhor coragem que a bondade
tu destes para esse poeta felicidade,
a alegria de beijos ternos pela cidade.

(Para Cristiane)

Te Beijar

Os lábios juntos estalando,
pele que se refresca se apertando,
num minuto breve, mas sem tamanho
somos mais fortes que aço e estanho!

Em cada juntar e afastar de nossas bocas
percebemos que nossa sede não é pouca,
percebemos que saída não há outra,
beijar sempre, por mais que seja atitude louca!

Os beijos são provas e promessas
de que sempre há solução para coisas adversas,
de que as batalhas não estão realmente perdidas,

pois no teu coração plantei vida
esperança que renasce em cada partida,
de te beijar, para sempre, sem despedida!

(Para Cristiane)

11 de out de 2009

Amor de Inverno

Num dia que podia ser cinzento
o sol se abriu preguiçoso e lento,
tu o trazias no teu alvo peito
fazendo-o brilhar além do teto estreito.

Do que poderia ser só um momento
fizemos um mundo inteiro,
de caricias os sentidos estremecendo,
de verdade e amor novo dia nascendo!

Num inverno de emoção
transformamos tudo em verão,
o gelo virou água de aluvião,

correndo forte pela imensidão
que é o amar por mais de uma estação,
pela estrada que se revela no teu coração!

(Para Cristiane)

10 de out de 2009

Água Pura

A chuva que o vento traz
escorre pela montanha veloz,
no leito do rio corre audaz,
para desaguar em longínqua foz.

Teu olhar faz a boca aguar,
sinto a chuva me inundar,
água pura, sabor bom ao paladar,
nos teus beijos o desejo saciar!

Como nascente de rio,
trago teu amor comigo,
no começo tênue fio,

crescendo um curso que preenche o vazio,
logo cascatas de emoção e desafio,
para no final ser mar de El Niño!

(Para Cristiane)

7 de out de 2009

Pessoa

Na aula escrevinhando desatento
pensando, perdido no tempo,
vagando nos teus carinhos
que mesmo sozinho
sempre me lembro.

Quando num lampejo
volto ao contexto,
quando em altos brados
a professora da seu recado:
Crise, critica, tese, antítese e síntese!

A pessoa humana se transforma,
não pelas teorias já em voga,
mas pela necessidade da hora,
de refazer seu ser mundo a fora.

Penso em ti, pessoa que amo,
quero que meus braços sejam seu recanto,
que no meu pelo moreno repouse seu pranto,
que a dor que nos faz crescer um tanto
se transforme na alegria de teu sorrir em encanto!

(Para Cristiane)

Primavera do corpo

Gelado é o silêncio árido,
bolinhas de poeira voando no pátio,
Invernal uivo do vento estático
passeando pelo medo dogmático.

Então um tilintintar do celular
nem uma palavra, só suspiro
delicioso e quente aviso
da primavera do corpo a chegar.

De tudo que não podemos negar,
como os abraços que nos fazem aconchegar,
neste instante ninguém entre nós pode estar.

Nos beijos de línguas entrecortantes
fazemos nossos sentimentos vazantes,
provas desse amor daqui por diante.

(Para Cristiane)

5 de out de 2009

Viver de amar, amar para viver

Recolho suas lágrimas em meus lábios,
sei que sofre pela luta dos contrários,
mas não existe nada mais sábio
do que ouvir esse sentimento extraordinário,
pois no final o único solitário
é quem dele escolheu ser exilado.

Claro que a vida continua seu traçado,
mas dela o viço é apartado,
quando não temos todo o colorido
de um beijo enternecido
no final de tarde de um Domingo.

E da para viver sem amar,
mas muito melhor é contigo estar,
o seu rosto em paixão acariciar,
no seu colo poemas dizer
amar para, bem melhor, viver!

( Para Cristiane)

4 de out de 2009

Velha Vitrola

Velha vitrola,
como todas as casas
só uma havia para toda família,
e sempre quando eu chegava da escola,
a bolacha negra estava lá a rodar.
Sempre o mesmo disco tocando,
a voz doce e poderosa o ambiente tomando,
cantava a América e suas raízes,
mas na verdade deixava os corações felizes.
Eu começava a ser adolescente
e não entedia suas palavras prontamente,
anos depois descobri que não é na mente
mas na alma que sua musica se sente.
Como um mantra de fim de tarde
minha prima ouvia seu canto em catarse,
a sabedoria dos anos Dezessete
se prolongava até a noite, as sete,
quando avô ao lar chegava
tomando conta da vitrola amada,
mas a musica dessa senhora encantada
jamais deixou o coração da meninada
e mesmo a vitrola desligada
sua canção continuava na casa.

( Para Mercedes Sosa)

3 de out de 2009

Escrever para a Moça de Minas

Num despretensioso rabiscado
aquele que se faz no caderno do lado,
poema nasce de verso trovado,
espremido no papel pautado.

Aos poucos toma forma e ritmo,
pois vem do pulsante intimo,
dos verdejantes montes o cimo,
te trago em palavras de menino,

pois é assim que sinto
quando te escrevo com afinco,
como chuva em telhado de zinco,

sinto a face tremular
as veias cheias de sangue a saltar,
pois vigoroso é ato de te amar!

(Para Cristiane)

2 de out de 2009

Amar Demais

Se amar demais é um erro,
o fazemos com refinado zelo,
pois a dimensão de exagero,
só existe para quem é triste
e o amor na carne não vive!

Amor que pode até ser um castelo,
mas se faz no solo e lá tem seu elo,
no chão de lençóis amarrotados
pelo carinhos e afagos
dos amantes devotados.

Precisão de beijos sincronizados
em taquicardia de paixão,
corações ululantes descompassados,
olhos luzentes revirados,
fazem o amar demais ser nosso diapasão!

(Para Cristiane)

1 de out de 2009

Recolher

Quando ao fim do dia
você conta sentada na cozinha,
das coisas ditas e aprendidas,
das tarefas cumpridas,
do quanto se tem por fazer ainda,
você diz sabedoria.

Quando num banho quente
deixa água escorrer levemente,
fazendo a mente voar,
para num sonho lindo repousar,
você diz desejo.

Nas agruras daqueles que tem medo,
mas mesmo assim cruzam o arvoredo
para no final da trilha encontrar o aconchego,
você diz coragem.

Nesse vagar recolhes o que é necessário,
para ser um novo usuário,
desse novo mundo que lhe traz visionário,
seu amor , seu poeta libertário!

(Para Cristiane)

29 de set de 2009

Falar, ouvir & amar

Falo do intrépido Aquiles,
da astúcia de Alcebíades,
tu falas de crianças aprendizes,
de façanhas diárias audazes.

Ouço seu peito rufar
quando no meu peito está,
escutas atenta meu recitar
declamando a cidade a passar.

Hora vespertina
teu hálito preguiçoso de manhãzinha,
quando no meu corpo se aninha,
te amo, e és toda minha!

(Para Cristiane)

Quando minha vida te encontra

Nas esquinas centenárias
ouço cosmopolita ária
dos malandros e seus bandolins
num Rio de alegria sem fim.

Estranho como o acaso age
em bytes mostra sua face,
não foi nas ruas da cidade
nem nalguma outra localidade,

num espaço de eternidade
pois palavras não tem prazo de validade,
nem os sonhos que flutuam nelas
apesar do mundo e da gravidade,

o destino fez sua jogada
e nos esbarramos nessa cyber estrada,
ele nunca atua por nada,
sempre há razão, mesmo que ocultada.

Minha vida toca a sua em momento raro,
pois difícil é remontar o cenário
de nossas certezas e verdades
que guardamos como relicário,
mas o que é realmente sagrado
é a verdade que há no coração depositado.

(Para Cristiane)

27 de set de 2009

Nosso Caminho

Quando reunia eu histórias,
lições da memória,
pálidas paginas vazias
de emoção e poesia,
você apareceu no meu caminho.

A cada, então, história jocosa
ouvia sua gargalhada ruidosa,
seu comentário fino e perspicaz
me revelava seu temperamento sagaz.

Na primeira poesia declamada
ouvi ruidosa disparada,
sua respiração fortemente acelerada
avisava da paixão encomendada.

Na cidade pela Guanabara banhada
fizemos amor na invernada,
transformamos palavras digitadas
em alegria de pele arrepiada.

Mas de que um fim de semana,
descobrimos de onde a paixão emana,
desse descobrir-se em si pelo outro
encontrando um farto tesouro.

As duvidas aparecem como sino
estalando na mente, zunindo,
mas estou certo do que sinto
sei que o amor não está extinto

Por mais percalços que tenha o caminho
no teu coração fiz meu ninho,
sei que mesmo que tu em silêncio
não me deixas caminhar sozinho!

(Para Cristiane)

Chama

Na textura de tua língua
entrelaçada, enrolada na minha.
No arder de rosto
como em chama posto,
quando minha barba por fazer
te afaga para te enternecer.
No percorrer dos dedos afoitos
pelo teu dorso em fogo,
tremer estático de um bailar doido
do doce e encantador jogo,
que a luz traça na cama belo contorno.
Nos sentidos entumecidos
pelo fervor outrora adormecido,
que no rosto transtornado
pelo prazer do corpo alcançado,
no beijo quente e rasgado
é por nós neste instante revelado!
Pelos flancos colados,
do ato de amor descansados,
mãos unidas e seladas
na promessa de sempre
recomeçar o amar novamente,
quando o comichão se sente
de dar um beijo para sempre,
mesmo que o eternamente
seja um segundo preso na mente!
Mesmo que seja só
o que Vinícius diz para gente,
te quero infinitamente!

(Para Cristiane)

26 de set de 2009

No Bosque de teus cabelos

Fui caminhar no bosque,
a luz varando as copa das arvores
desenhava no solo ondas,
como o vento faz com teus cabelos.

Olhei as samambaias
as que se chamam renda portuguesa,
percebi nas suas folhas delicadeza,
que nos fios do seus cabelos são a mesma.

Senti o cheiro do limão- jasmim
percebi que este exalava de mim,
pois entranhado até o fim,

estava na pele teu cheiro,
me vi perdido, sem menor exagero
no bosque de teus cabelos!

(Para Cristiane)

25 de set de 2009

Poesia de Tristeza e Beleza

A alma entristece
algo aqui dentro fenece,
mas só num segundo perdido
que isso acontece,
pois o poeta na sua tristeza
faz sua literária empresa,
transforma lágrima em beleza.

Para Moça de Minas,
faz versos da hora matutina,
traz do fino âmbar a resina,
para misturar com sua pele fina
e fazer perfume sedoso da Índia.

Para Professora menina
o poema é lírica canção,
que da diária lição
de ensinar a bailar no papel a mão,
da criança e até do Barão.

Para Linda dama
que tudo de bom alcança,
faz este da palavra trama
como os arcos de Alhambra,
deixa pela pena lembrança
de que todo o amor é façanha
da coragem tamanha
do navegante que ao mar se lança!

O Poeta se deslumbra,
pois todas estas mulheres
existem só, e apenas numa,
para ela toda a poesia é dedicada,
todos os sentimentos bordados
no coração acelerado
pelos seus suspiros adocicados!

(Para Cristiane)

Une

Quando meus lábios ao seus
o amor que ninguém percebeu,
a paixão e o desejo une,
nem uma das leis dos homens
tem direito ou pune,
tal ato de verdade e liberdade,
que da alma faz vislumbre.

Quem condena,
o que o desejo feliz une,
nessa vida só vê azedume,
não alcança o brilhante cume,
da alegria que no sorrir surge.

O bálsamo de vida infunde
no cotidiano que nos une,
cada palavra dita amiúde
é símbolo e linda virtude,
que espalha sua atitude
de amar, e me querer amar
sem a menor finitude!
Tudo isto nos une!

(Para Cristiane)

24 de set de 2009

Quando em ti

Quando estou contigo
sentimentos de carinho
percorrem os vales e os ninhos,
nasce um pequeno canáriozinho
que preenche de amor o peito vazio.

Professora Menina,
traz o pássaro no dedo pousado,
lhe ensina o cantar com seu afago,
linda canção se faz com seu trinado.

Quando por ti estou enamorado
alto é o canto do canário,
que faz reverbero extraordinário
impossível deixar esse amor guardado!

Quando em ti o sorrir é largo
o sol clareia as águas do lago,
faz-se notar por todo lado
que seu coração está apaixonado!

(Para Cristiane)

23 de set de 2009

Moça de Minas a sambar

Eu malandro carioca
estou aqui ainda a estudar
e minha moça de minas vai sambar!
Mas ela já fez o dever de casa,
vai como uma patota animada
ouvir a cuíca cantar.

Fico ouvindo a professora falar
mas meu pensamento nela está,
no seu gingado branquinho,
na pista a deslizar seus quadris
de como minhas mãos febris
adoram neles tocar.

Nesse samba não vou estar
mas pertence a mim o melhor lugar,
minha breve poesia faz vibrar,
minhas palavras são o refrão
do seu coração de samba
por mim a requebrar!

(Para Cristiane)

21 de set de 2009

Amor de Verso

Para o bem versar
dizem que é bom estudar,
que boa letra deve-se praticar.
As silabas bem aglutinar,
versos cuidados pelas regras do Parnaso,
métrica perfeita e sentimentos rasos.

Digo que tudo quê preciso
é deu te alvo viço,
de teu chamar sem aviso
para me dar amor maciço
mesmo quando não está aqui comigo.

Por mais difícil que seja
amar a musa o poeta almeja,
e já te dei aqui a deixa,
não estas em altura desmedida,
andas nas ruas como menina
na feira reúne frutas
que escolhe astuta
e deste sabores que oferece ao poeta
faz-se a escrita repleta.
Nosso amor é verso,
estrelas temos por teto,
fazemos nosso andar no concreto,
o cotidiano é nosso arquiteto
atento e caprichoso,
pois viver cada minuto disso
que é da vida o gostoso!

(Para Cristiane)

Amar a Moça de Minas

Moça de Minas!
Declamar para você é necessidade matutina,
teu respirar ofegante me ilumina!
Sua face que de vermelho ruboriza
faz versos da libido arisca,
que só no inundar das bocas a saliva
há refresco da paixão que nos atiça!
No medo que um instante paralisa
no outro farejo em ti a vontade que avisa,
do teu chegar de doce menina,
do beijar de mulher querida,
do teu gozar de felina,
rasgando minha pele fina
com tuas unhas e dentes
me beijando com todo furor que se sente.
No descanso do amar renitente
temos noção do que é o “eternamente”,
segundo preso no corpo e na mente
até nosso ritual de desejo começar
novamente teu corpo explorar,
nas minhas mãos reter tua crina....
Te amo moça de Minas!

(Para Cristiane)

Poesia que vira vida

É parecido com o amor
permanece muito tempo escondida,
semente na terra fértil guardada,
que dessa seiva é nutrida.

Um sorriso no espaço
menina linda faz um bom comentário,
a palavra coça a língua e os dedos
começo a descobrir teus segredos.

As virgulas de nosso amor são raízes,
marcam o ritmo para sermos felizes
do raiar de novo dia são matizes,

A poesia em mim contida
são êxtases e lagrimas extraídas,
desse amar a ti que é sangue da vida!

(Para Cristiane)

20 de set de 2009

Esperança

Nos sorri como criança
no teu colo risonha se balança,
faz de tudo uma estrada
que o viajante se lança.
Viajem que todo dia se alcança,
ao mudar o caminho para o trabalho,
no variar do tempero o alho,
não fazer das decisões Calvário.
Sempre que a situação complica,
doce esperança menina,
vem e nos reanima,
mesmo quando vira velha ranzinza
e morre espalhando suas cinzas,
ela passa a ter Fênix por nome,
brilhante as trevas consome,
nos revelando novo belo horizonte!

(Para Cristiane)

19 de set de 2009

Quando poesia voa

O poeta diz noite boa
a sua musa, as estrelas cadentes
caem do céu atoa,
vou guarda-las, fazer poesia
que no meu coração voa!
Vou juntar essas sementes
para também unir mentes,
vou pegar emprestado
as asas de um anjo distraído,
voar até seu esconderijo
e recitar meu poema emocionado,
fazendo arrepiar seu pelinhos
no meu declamar ao pé do seu ouvido.
Vou remar as ondas do Hawai
deslizar no teu dorso meus carinhos,
ver as ondas de prazer contraindo
o mar de desejo dos seus cabelinhos.
Vou descansar no teu corpo unido
pelo suor do esforço combalido,
de te amar e arrancar de peito lindo
o mais perfeito gemido!

(Para Cristiane)

17 de set de 2009

Feliz para si, feliz para o mundo

Hoje acordei filósofo meditabundo,
pensando em John Kenedy
e tiro que lhe tirou do mundo,
de como não seguiu
seu conselho mais profundo,
e tentou fazer feliz todos homens
no mesmo segundo.

Ao sorver o café fumegante
me dei conta do que é relevante.
De que ser feliz, só se pode o ser
durante um breve instante,
e a sucessão desse doce querer
nos faz buscadores perseverantes.

Então te busco no mirante,
na terra, no mar e nas estrelas circundantes.
Busco teu humor que me faz falante,
e de teu menor gesto sou amante,
pois assim sou feliz mesmo tu distante.

Sendo assim alegre
posso te ser totalmente entregue,
porque sendo feliz em mim,
posso te dar meus jasmins,
que são seus não importa quem conteste!

(Para Cristiane)

16 de set de 2009

Lágrima

Desata um nó
que da alma se desprende,
mais acontece quando se está só,
solidão do pensar da gente,
que da voltas no mundo
tudo num gigante segundo,
para virar sentimento profundo.

Lágrima feminina
que de seu rosto mina,
queria ampará-la com a língua,
dividir com você seu sabor
num beijo desavergonhado em torpor!
Pois afinal do que é feito nosso amor?
Se não esse misto de gozo e dor!
Dor da espera na madrugada,
Alegria de sublime da paixão revelada!

(Para Cristiane)

15 de set de 2009

Ando a teu lado

Na multidão desforme
que hora se vê , hora se foge
em meio a tumulto desordenado,
ando a teu lado.
No escuro que a noite encerra
onde arvore a coruja vela,
um cavalo passa sem cela,
ando a teu lado.
Na crisálida fechadinha
onde se esconde tu lagartinha,
vejo as dores das asas abrindo,
para você virar borboletinha,
ando a teu lado.
Vejo e sinto tudo isso
só por um motivo,
pois no teu coração
as vezes por medo apertado,
outras por paixão dilatado,
estou eu lá plantado
escrevendo meus poemas do ocaso.
Por isto, só por isto
ando a teu lado!

(Para Cristiane)

Força

Com pena leve
o Poeta te descreve.
De algodão tua pele
as essências perfumadas bebe.
Suas pernas fortes
que seu gingado desenham,
levam-te a teu Norte,
carregam muitos dotes.
Teu ventre macio,
onde o coração
faz seu aviso,
manda ondas de emoção
preencher o vazio,
contraindo e expandindo em alivio.
Teu o olhar cativante
mostra quem és num instante,
e o que serás doravante.
Marca de tua força,
mesmo quem não ouça,
ou tenha atenção pouca.
Basta te mirar
para ver teu brilhar!

(Para Cristiane)

14 de set de 2009

Calor

Um rumor de gelo
atravessa meu peito,
nessa manha quente
do primaveril setembro.
O sol reluzente
se abate sobre mim de repente,
e pergunta-me calmamente:
Por que meu calor não sentes?
- Para teu calor bem sentir,
é necessário minha dama voltar a sorrir.
Que Jasmins de novo no ar se sinta,
que para si mesma não minta,
que descasque das paredes velhas tintas.
- Grande astro!
Quero teu calor para ela acalentar,
não me importo em congelar,
se ela no mundo bem andar!

(Para Cristiane)

13 de set de 2009

Lição

A mão da mãe com esmero
espalha pelo o bolo o recheio,
se pesa um pouco o confeito
é pelo exagero do amor
que lhe é afeito.
Aquele que o deserto sedento,
atravessa a procura de água e sustento
quando encontra da vida a fonte
quase afoga-se por contento
de beber o sumo que lhe da sustento.
O Poeta que de sua musa
precisa a todo momento,
com Professora menina
deve aprender a lição
que as vezes para bem amar
recilência e contenção
é preciso praticar.
O poeta pede a Linda dama
que continue as lições todo dia ensinar,
para este viver de versar
o amor que lhe tem para dar.

(Para Cristiane)

11 de set de 2009

Ti Ter

Andar na avenida
a procurar a alma tímida,
esperar uma mensagem
as sete da matina,
guardar teu olhar de quina
no fundo da retina,
Soprar poesia vespertina
que a pele arrepia até a espinha,
e alma nua não se resigna,
quer mais e mais escrita fina!
Andar com o peito apertado
e ao mesmo tempo extasiado,
por se sentir enamorado
de dama que meu viver tem melhorado.
O minuto de agora bem viver,
para o amanhã acontecer
e nos seus carinhos amor fazer,
na verdade não ter
e sim ti receber!

(Para Cristiane)

9 de set de 2009

Corpo

Sempre a tarde
bate aquela saudade,
de te beijar morro de vontade,
e teu odor não sai da mente,
quero teu corpo quente!
A memória corporal
nem sempre é igual,
espalha diferentes ondas
sossega e apronta,
as vezes os sentidos desmonta.
Os lábios viram dedos
para massagear teu desejo,
a língua desbrava e penetra o pelo,
os olhos se reviram desregrados,
os ouvidos aspiram sons calados,
o olfato reverbera nosso ato!

(Para Cristiane)

Horas

Vinte quatro horas,
são as mais lentas horas
no tempo de quem ama,
vontade de já estar contigo
do meu ser emana!
Hoje é dia que parece semana!
E todo o pequeno movimento
de certa forma me encanta,
pois de ti sempre me relembro,
na chaleira o chiar da tampa,
no miolo do pão,
que para a forma manter,
você no café da manhã arranca.
Mas sigo o conselho do físico
e faço o tempo relativo,
desenho poesia no livro,
descrevo seu belo sorriso,
para mais rápido chegar a hora
de bem estar em seu abrigo!

(Para Cristiane)

8 de set de 2009

Amor & Imensidão

Hoje dormi a acalentar
seus suspiros no coração,
seus arroubos de prazer
até agora não me deixaram,
sua libido perpetua-se
até a imensidão.
Que não é deserto
nem mar de vagalhão,
é jardim de flores da estação,
que em seu espaço diminuto
traz a mim seu mundo astuto,
e você me traz em seu tornozelo
e eu te trago ao redor de meu dedo,
símbolo do amor de então
que pode ser maior que nação,
que cabe em um refrão
nos beijos tórridos
a sombra de algum caramanchão!

(Para Cristiane)

7 de set de 2009

Cai a tarde

Vem o cair da tarde,
a sombra adormece a cidade,
o recolhimento e conformidade,
frente ao trabalho do dia seguinte
com seus afazeres que não são novidade.,
invadem os lares com docilidade.
Mas no coração inquieto
não importa a noite e sua obscuridade,
sempre está a bater a procura de cumplicidade,
de outro coração a bater em festividade.
Impossível neste cair de tarde,
não lembrar de você
que em diversas vezes tomou meu pensar,
fez os batimentos acelerarem
com um mero tilintintar
do pequeno celular,
que fez as pupilas dilatarem
só com seu suspirar.
Fez um poeta sorrir,
um menino grande
da lição se distrair,
para escolher as palavras infantes,
e todo dia tentar fazer
um poema mais belo que o de antes,
em sempre um sorriso doravante
na face da Linda Dama incutir!

(Para Cristiane)

Meu Bairro

Meu bairro
a metrópole esqueceu de mudar,
não que no passado ele deseje estar,
mas se você por ele passear
verá os burrinhos da charrete a trotar,
uma veloz Ferrari a avenida tomar.
O verdureiro plantado na esquina,
ao mesmo tempo a entrar no shopping
mulher chique, languida e fina.
Os dois se comprimentam no passeio,
um falando no celular ultimo modelo,
e outro a gritar apregoando seus preços.
Nesse bairro alto- estradas vem cruzar,
e mata atlântica está também a preservar,
da Gávea à Cascadura por ele pode passar,
uni a cidade tentacular,
pois no seu pulsante âmago está,
você pode se perguntar,
de onde estou a falar?
É do enorme bairro de Jacarépagua!

(Para o amigo Richard de Jacarépagua)

Poema Matutino

É cedo...
Acordo a cama a tatear,
minhas mãos, minha alma
a e meu corpo a te procurar!
No seu leito quero estar,
e estou na umidade
do seu lento despertar,
lembrança liquida e tépida,
de um dia de beleza intrépida,
que você e eu ousamos perpetrar.
Amor de toda a idade
que traz de volta a mocidade,
as dobrinhas do rosto a sorrir,
que quando nos beijamos
voltam o semblante luzir!
Amor de cumplicidade
que uns acham leviandade,
mas só inveja e maldade
de quem não sabe amar de verdade!
Amor que traz da manhã o trino
dos passarinhos do quintal vizinho,
que fazem esse poeta menino
compor para sua musa
um poema matutino!

(Para Cristiane)

5 de set de 2009

Poesia da Pele

Branca e lisa
na foto que eu via,
sedosa e macia,
prazer ao tato
de quem acaricia,
assim me parecia.
Nas suas palavras
que pulavam da tela vazia,
me indagava o quanto seria,
qual cheiro exalaria?
Essa sua pele a luz do dia.

No cometa que te trouxe,
de manha vi teu sorriso
nascer e quebrar noite.
A primeira porção de pele,
que senti de leve,
foram seu lábios e num beijo
sua emoção me foi entregue.

Nossas mãos se entrelaçavam
no trajeto da cidade a cruzar,
no nosso abraçar, você já dizia
o quanto estava a me desejar.

Até a sós podermos estar,
tivemos um delicioso vagar,
eu te contando de como
a cidade se move em seu andar.

Enfim de tuas vestes pode se livrar,
as curvas de sua pele fui explorar,
cada centímetro de ti decorar,
descobrindo como melhor te amar!

E agora estou aqui
meu pensamento fixado em ti,
quando fecho os olhos
posso revivenciar
o gozo de sua pele
na minha a roçar!

(Para Cristiane)

Gesto Mínimo

Tum! Tum! Tum!
Acelerado coração
bate, bate por ti
e pelo fim da tarde, a noite
onde os enamorados ardem
de vontade de se ter!
Em nome só de um,
somente um beijo,
a estrada atravessar
deles é o desejo.
Cada gesto mínimo
traz de volta um afago
um doce mimo,
o cheiro das coxas
roçando loucas,
o homem sente a moça,
e ela a desfalecer tonta
de prazer beija-o a boca!
Tudo num relâmpago
de breve pensar
faz o menor músculo retesar,
e faz de amor as bochechas
arderem e corar!

(Para Cristiane)

3 de set de 2009

Meu Amor me chamou para ver o Luar

Meu amor me chamou
para ver o luar,
da janela do meu quarto
passei a admirar!
Nas curvas desse astro
vejo o sorriso dela,
sinto o rosto esquentar
pois lembro dela a me beijar!

Meu amor me chamou
para ver o luar,
o mar da tranquilidade
espelha sua bondade,
que a todo segundo
lembra de mim no mundo,
olha o satélite rotundo
e rememora nosso amar,
que é doce e profundo!

Meu amor me chamou
para ver o luar,
para ela meu primeiro trovar
foi falando sobre o Luar,
sobre bailarinos a flutuar,
eu ela no limbo a se abraçar!

Meu amor me chamou
para ver o luar,
mesmo distantes
nem espaço ou terras de viajantes
podem nos separar,
nossos corações
estão juntos a pulsar!

Meu amor me chamou
para ver o luar...

( Para Cristiane)

Duda quer contar

Professora Menina
pediu a Duda uma História contar.
Duda pequenina
pôs-se a desenhar,
pois letras são desenhos estranhos
que ela não gosta muito de traçar.
Nem o B, nem o A
costumam juntos dançar,
grandes P e Q
nem sempre vem brincar.
Então Duda pôs-se a desenhar!
O Mundo é um grande
quadrinho a se despaginar,
o Pato Donald a gargalhar,
Os faceiros Backyardigans
no quintal a traquinar!
Mas Professora menina
precisa a lição ensinar,
pede a Duda pequenina
uma legenda confeccionar.
Ela meio reticente,
faz beicinho de criança carente,
mas da professora sente
o carinho diligente,
e diz alegremente:
Para você, só para você!
É uma honra escrevinhar!

(Para Cristiane, Professora e menina)

31 de ago de 2009

Moça de Minas

Hummm!
Encho meu peito de ar.
Sei pelo cheiro do café,
pela procissão das beatas de fé,
que em minas devo estar.
Vejo as montanhas,
que no longo horizonte
fazem a paisagem tremular.
Sinto o cheiro da jabuticaba,
da fruta o gosto água o paladar,
do perfume me chega a pele alva,
da menina que estou a amar,
de quando após o banho
ela a essência pelo corpo
vem a espalhar.
O carreto,
vem pela estrada a trotar
meu coração começa a disparar,
só novamente se cadencia
quando na estação já eu antevia
Moça de minas a me esperar!

(Para Cristiane)

30 de ago de 2009

Sonho & Poesia

Nesta breve noite,
visitou meus sonhos Orfeu,
e disse "canta o amor teu!"
“Diz a ela quantos recantos
no teu andar percorreu,
quantas flores do falar
para ela, só para ela
você recolheu!”
“Diz do dia,
diz da Noite!
Da sombra
que traz o entardecer,
quando nos seus braços
ela vem se proteger.
Fala aos seus ouvidos
com muito carinho,
te torna outra vez menino,
e com doce refino,
faz-lhe poesia do sol matutino!”
Obrigado Grande Orfeu!
Seguirei os conselhos seus,
dica de um semi- deus.
Assim já logo faço
poesia para o amor meu!

(Para Cristiane)

Convite

Ando como um desconhecido,
mas as ruas já são conhecidas.
Traço caminhos diferentes
para itinerários já percorridos.
Meu instinto de Lacraus
me propõem sempre recomeço.
Não me recuso, pois sei
que tenho que recolher meu verso
pelos caminhos que segui e sigo.

Vejo uma mão que convida,
se entrelaça os dedos a minha.
Voz doce e agradável, fala e me intriga.
Diz: Vem , vem comigo fazer nossa sina!

(Para Cristiane)

29 de ago de 2009

Desejo em Ti

Vislumbro rimas,
que em uma mente arguta
podem ser infinitas,
parecem fortuitas,
mas nascem
de sensação madura.
Vejo a gota d’água
que de manhã no belo banho
sua perna percorre,
vejo ela se esconder
onde seu desejo dorme,
despertando algo de mim
no seu banhar
de limão- jasmim.
Gotinha fluida,
no seu vagar renitente
cresce e se avoluma
até virar torrente,
alcança o mar
de prazeres da mente,
que o corpo bem sente!
Como onda noturna,
sem bem saber de onde,
o prazer te toma,
não lembras mais
de coisa alguma,
a não ser do lampejo
da lembrança de nosso beijo,
e em ti repousa o desejo!

( Para Cristiane)

28 de ago de 2009

Distância

Bom dia! Meio triste,
mas no meio peito
teu amor persiste,
essa vontade de te ter
em mim não desiste.
É como água das montanhas,
que percorre vale imenso,
da terra varre as entranhas
trazendo alegria,
fazendo da vida uma façanha.
Apesar da distancia
nosso amor é constância,
tem de verdade a sanha
de não ter qualquer limite,
pois sorriso igual ao teu não existe!

(Para Crsitiane)

25 de ago de 2009

Saber

Andando no ônibus,
passa um carro igual ao seu,
olhando esse homônimo
me pergunto:
Onde está o amor meu?
No almoço
o fritar do bife ouço,
relembro sua preferencia,
de como gosta a consistência.
Passo pela confeitaria,
quantos quitutes e iguarias,
penso como sua boca ficaria.
Ando pela cidade
e em tudo há seu toque,
porque na verdade
meu coração explode,
de você a vontade
de a todo minuto ti saber!

(Para Cristiane)

23 de ago de 2009

Amor diário

Amor que se dá aos pedaços,
um almoço, um bom prato.
Amor que conforta o estômago,
sem do coração descuidar o trato.

Amor que se dá com palavra,
não importa na cidade ou na estrada.
Amor que surge de fina lavra,
do sentimento que no peito se guarda.

Amor diário, mesmo que longe,
dos sentimentos belos és depositário,
e apesar do mundo ser contrário,

A luz do dia mostra seu corolário,
em poesia faz-se necessário,
no coração desse legionário!

(Para Cristiane)

22 de ago de 2009

Sonho de Vandré

Hoje acordei do sonho
de Geraldo Vandré,
fui andando pelas ruas a pé.
Eu professor apaixonado
pelo oficio, pela missão
firmemente compromissado.
Vi fuzis, vi granadas
mas não eram revolução
nem luta armada,
crianças descalças
quase sem nada,
nas mãos armas
de uma causa já derrotada.

Vi minha linda escola
suja e maltratada,
de recursos desprovida,
maltrapilha e surrada.
Contudo, ao entrar
reencontrei meus colegas,
incansáveis, sem dar trégua,
permaneciam lá
com seus compassos e réguas.
Um me saudou:
- Que bom te ver camarada!
Estamos aqui de guarda,
Pois quando o dia de novo raiar
Nós construiremos uma nova estrada!

Segui meu caminho
a tudo observar.
Vi a política se transformar
para se perpetuar.
Vi o pobre mudar de cara,
mas não de lugar.
Vi o Jardim das Iniquidades
que as pessoas passeavam
a se cumprimentar.
E voltei a sonhar,
que com minha poesia e caminhar
um dia tudo isso eu possa mudar!

19 de ago de 2009

Estrada

Do alto dessa mochila verde
onde carrego meu sonhos,
meu pacote de experiências
que me fazem forte,
que me fazem fraco,
mas fazem quem eu sou.
Vejo a estrada
como mãos abertas,
mapa a decifrar,
rotas que muito podem
me ensinar.
Já muito caminhei
ri e chorei,
mas como num conto de keruac,
sempre há uma montanha a escalar,
e a verdadeira morte é nunca tentar.
Nas esquinas,
vejo olhos a me recriminar,
sentados, enraizados nalgum bar,
mas sempre a um preço a pagar,
por um trago na garganta a rolar,
uma viajem, um sonho para se realizar.
Pago meu preço sem reclamar.
E tenho bons companheiros,
Pessoa, para me lembrar de Portugal,
e da saudade que dá ao navegar,
Vinícius, e suas dicas ancestrais
da arte do bem amar.
Neruda, em versos de madeira,
ensinou que se pode todo dia,
a mesma mulher , amar e conquistar.
Droumond, na sua cotidiana mineirice
fez menina, escritório e pedra falar!
Vou seguindo,
com mochila e violão
fazendo um novo cantar.

No Olhar

De manhã,
olhinhos grudados,
na boca um estalar
a saliva pedindo um suco,
para renovar o paladar.
Suas mãos exploram
meu peito a ronronar,
nos espreguiçamos,
ouvido as juntas farfalhar
enquanto nos abraçamos.
Seus lábios ressequidos
procuram os meus para beijar,
no arroubo matinal,
de beijo em beijo
vamos nos hidratar.

Depois deste ritual
sua pálpebras tem coragem
de lentamente despertar,
A luz invade sua retina,
e nos meus braços
posso ver o brilho
do seu olhar!

(Para Cristiane)

16 de ago de 2009

Criança

Mais uma vez
o lápis sobre o papel,
incerto e inseguro bailar.
Copiando um signo
e tentando acertar,
as voltas das letras
que para essa criança
o mundo vai revelar.
Neste instante
sente-se doçura,
professora menina
a lhe observar.
E agora mão
sobre a mãozinha,
os dois vão caminhar,
no caderno Y, Z e A
e o alfabeto vão trilhar!
Toda vez que essa Mestra
no banco escolar
ao lado do aluno se sentar,
menina se tornará,
convidando as crianças
a viver a aventura
do A, B, C e até do K!

(Para Cristiane, Professora e Menina)

15 de ago de 2009

Musa

Uns as trazem no bolso,
num recorte que passam a olhar.
Outros a trazem na mente,
no Parnaso para admirar.
Nos pedestais de templos,
nas ruínas de algum lugar,
estatuas imóveis
que no passar dos anos
só vão se desmanchar.

Minha Musa,
levo pelas mãos
para passear.
Sussurro os versos,
deleito seus ouvidos
com meu trovar,
esperando sua reação,
bem de pertinho, ouço,
seu lindo coração,
a cada palavra pulular!
Minha recompensa vem na hora,
seus braços me envolvem,
e em todo o tempo
só existe o agora,
quando ela me brinda,
me presenteia,
com seu beijar!

(Para Cristiane)

12 de ago de 2009

Ligação

Fecho os olhos,
você os abre de sopetão.
Bebo água,
você sorfe os lábios
com sofreguidão!
Vou para o sotão,
tu invades meu porão.
Na casa de carramanchão
nos procuramos
com luz de lampião,
eu subindo a escada,
descendo tu então,
tatiando na escuridão
uma mão encontra
a outra no corrimão.
De mãos dadas
dissipamos o véu de mansidão.
Iluminamos a casa, a rua,
a cidade de nosso coração!

(Para Cristiane)

11 de ago de 2009

Caminho

Até aqui
olho para traz,
visto as centenas de personagens
que usei para sobreviver.
Persigo um ideal
que na verdade me persegue.
Como uma pizza e a vida segue,
não como queria,
nem como num sonho seria,
somente como poderia.
Num dia sem muita pretensão
li seu recado,
você saiu da multidão.
Dizendo, falando, dando opinião.
Mudando o quê de vazio,
outrora havia neste coração.
Me despi de pudores,
desliguei meus censores
e te segui sem pensar nas dores.
Porque dor em grande verdade,
é não saber de teu sorriso,
não perceber quando a bochecha arde,
quando te digo como o sino bate.
Em tudo isso não sei bem o caminho,
e nisto reside nossa maravilha,
pois o que parece uma ilha,
se revela continente,
a medida que nosso terno amor,
como curioso menino,
explora o ambiente.

( Dedicada a Cristiane)

"Caminho de paixão: Calçando seus pés, vestindo sua emoção" (Para Cristiane)

I

Doce, agri-doce,
na minha boca
como bala você fosse.
Desmancha e deleita o paladar.
Gostinho bom de amar!

II

Amor que se dá aos pedaços,
um almoço, um bom prato.
Amor que conforta o estomago,
sem do coração descuidar o trato.

III

Felicidade,
para alguns é eternidade,
mas ela está na verdade,
no beijo e sua brevidade.
Para sempre quero beijar-te!

10 de jun de 2009

Teu Nome

Sobe os auspícios do vento,
teu nome ecoa mar adentro.
Das terras sagradas,
Cristo te emprestou uma parte.
Da terra dos Czares,
em grafia francesa
veio então outra parte.
Na terra de Santa Cruz,
nas campinas da Geraes,
a muito tempo atrás;
plantaram assim sua semente
seus mais remotos ancestrais.

Trilhar teu nome
é profissão de fé,
é chama que me consome!
Procuro teus lábios,
mesmo que a pé,
na multidão entre os rostos vários.
Me ajoelho diante da sé
e pergunto a Deus como é?
O caminho que leva ti!

Então o coração bate
explode a razão de Descartes!
Num infinito instante
só há teu nome.
Cristiane!

27 de mar de 2009

Um mês

Um mês passa como a vida.
Um tempo, uma sina.
Um mês de labuta,
as vezes um mês limpando latrina,
as vezes um mês vestindo
seda fina.
Nesse mês, nessa vida
Um caminho de rotina,
um caminho de pedras matutinas.
Na estrada vejo linda e doce menina,
no cruzar da luz de nossas retinas
num segundo perdido, distraído se cria
um mundo novo a frente do nosso vagar
um sorriso pode nossa história iniciar,
se coragem o bastante eu tiver
para com ela falar.
Assim o mês inicia e finda,
as vezes com gargalhadas,
as vezes com lágrimas cristalinas.

10 de jan de 2009

Feitura

Nem sempre os versos surgem,
como a água que da terra mina .
Nem sempre as palavras brotam na mente,
como os frutos de setembro.
Então me faço operário da poesia,
calço as botas e as luvas da palavra,
E lavoro!
Malho a palavra fria
moldando a razão poética,
mas a tempera deste metal
só alcanço quando te relembro,
quando o frescor de teu hálito
me inspira a manufatura do coração!