7 de set de 2017

Menina dos Átomos do Céu


Valente...
Covalente....
Ambivalente....
Você sempre na mente,
o coração rubro vira céu,
desvela do azul o véu,
que átomos traduz
reverberando alva luz
nas telas camistas
me diz de suas vinhetas.
Assombro nos assola,
pois depois de gastarmos
dos sapatos tanta sola,
incrível aqui estarmos
perplexos diante dos astros,
que fazem nos encontrar.


Para Maia

5 de set de 2017

Poesia da Noite

Um gole de cerveja...
Um sonho na mesa,
mortadela e calabresa,
mais um gole as avessas.

A mochila cheia de livros,
um velho casaco,
o garçom da o aviso,
o fechar das portas num estalo.

Na rua deserta,
o caminho de casa é uma reta,
conto meus passos,

ouço dos morcegos o guinchado,
Batmans nos telahados?
chego em casa embriagado.