12 de out de 2013

História

A minha, a sua
a nossa , a rua,
avenida impura
conto de ficção…

Que tanto os livros amam,
que os homens resignam
em não contar com exatidão
a história em suas mãos.

De tudo que vale a pena,
a maioria foi perdido
no silêncio pervertido

de uma biblioteca escura.
A não ser que se vire a página,
e do relato se faça a cura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário