22 de ago de 2016

Da Vida...

Nada está a contento,
vivo da alma ao relento.
nem eu mesmo entendo,
porque o descontentamento.

Devia olhar o sol
e alegre sorrir,
mas só vejo dos livros o pó,
preguiçoso volto a dormir.

Um acorde metal desperta,
intelectual cócega, incerta,
partilho linhas indiscretas

nalgum cibernético comunicador,
com carinhas sem muito furor,
sublimo alguma dor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário