3 de out de 2009

Escrever para a Moça de Minas

Num despretensioso rabiscado
aquele que se faz no caderno do lado,
poema nasce de verso trovado,
espremido no papel pautado.

Aos poucos toma forma e ritmo,
pois vem do pulsante intimo,
dos verdejantes montes o cimo,
te trago em palavras de menino,

pois é assim que sinto
quando te escrevo com afinco,
como chuva em telhado de zinco,

sinto a face tremular
as veias cheias de sangue a saltar,
pois vigoroso é ato de te amar!

(Para Cristiane)

Nenhum comentário:

Postar um comentário