7 de set de 2009

Cai a tarde

Vem o cair da tarde,
a sombra adormece a cidade,
o recolhimento e conformidade,
frente ao trabalho do dia seguinte
com seus afazeres que não são novidade.,
invadem os lares com docilidade.
Mas no coração inquieto
não importa a noite e sua obscuridade,
sempre está a bater a procura de cumplicidade,
de outro coração a bater em festividade.
Impossível neste cair de tarde,
não lembrar de você
que em diversas vezes tomou meu pensar,
fez os batimentos acelerarem
com um mero tilintintar
do pequeno celular,
que fez as pupilas dilatarem
só com seu suspirar.
Fez um poeta sorrir,
um menino grande
da lição se distrair,
para escolher as palavras infantes,
e todo dia tentar fazer
um poema mais belo que o de antes,
em sempre um sorriso doravante
na face da Linda Dama incutir!

(Para Cristiane)

Nenhum comentário:

Postar um comentário