7 de set de 2009

Poema Matutino

É cedo...
Acordo a cama a tatear,
minhas mãos, minha alma
a e meu corpo a te procurar!
No seu leito quero estar,
e estou na umidade
do seu lento despertar,
lembrança liquida e tépida,
de um dia de beleza intrépida,
que você e eu ousamos perpetrar.
Amor de toda a idade
que traz de volta a mocidade,
as dobrinhas do rosto a sorrir,
que quando nos beijamos
voltam o semblante luzir!
Amor de cumplicidade
que uns acham leviandade,
mas só inveja e maldade
de quem não sabe amar de verdade!
Amor que traz da manhã o trino
dos passarinhos do quintal vizinho,
que fazem esse poeta menino
compor para sua musa
um poema matutino!

(Para Cristiane)

Nenhum comentário:

Postar um comentário