19 de set de 2009

Quando poesia voa

O poeta diz noite boa
a sua musa, as estrelas cadentes
caem do céu atoa,
vou guarda-las, fazer poesia
que no meu coração voa!
Vou juntar essas sementes
para também unir mentes,
vou pegar emprestado
as asas de um anjo distraído,
voar até seu esconderijo
e recitar meu poema emocionado,
fazendo arrepiar seu pelinhos
no meu declamar ao pé do seu ouvido.
Vou remar as ondas do Hawai
deslizar no teu dorso meus carinhos,
ver as ondas de prazer contraindo
o mar de desejo dos seus cabelinhos.
Vou descansar no teu corpo unido
pelo suor do esforço combalido,
de te amar e arrancar de peito lindo
o mais perfeito gemido!

(Para Cristiane)

Nenhum comentário:

Postar um comentário